Tempo de leitura: 2 minutos e 40 segundos

A musculatura abdominal pode afastar-se por diversas razões, as principais incluem gravidez, aumento excessivo de peso, exercícios abdominais intensos e levantamento de peso em postura errada — o problema é chamado de diástase abdominal. Quando isso ocorre, a cirurgia de abdominoplastia pode ser a única opção corretiva.

Quais os perigos da diástase abdominal? 

Além dos músculos abdominais, na diástase, o tecido conjuntivo também perde elasticidade. Dessa maneira, podem surgir flacidez abdominal, dor lombar, hérnias umbilicais e até mesmo hérnia de disco, além de constipação intestinal e perda involuntária de urina. 

A dor acontece porque os músculos do abdome atuam como uma espécie de cinta natural que protege a coluna durante os diversos movimentos que realizamos no dia a dia. Quanto mais fracos os músculos, maior o afastamento — que muitas vezes pode chegar a até 10 centímetros. Consequentemente, quanto mais afastados os músculos, mais desprotegida fica a coluna. 

Fatores de risco

Infelizmente, a diástase abdominal não pode ser evitada, assim, qualquer pessoa está sujeita a desenvolver o problema. Mas algumas situações favorecem seu aparecimento, entre elas ter gestações muito próximas, gravidez de gêmeos e engravidar após os 35 anos, pois as fibras elásticas e musculares degradam com a idade.  

Como funciona a cirurgia? 

A diástase abdominal grave, acima de 4 centímetros de afastamento, deve ser tratada por meio de cirurgia de abdominoplastia. O procedimento corrige o posicionamento da musculatura, restaurando os músculos enfraquecidos ou separados. Além disso, a cirurgia remove o excesso de pele, o que proporcionará um abdome mais reto e uma cintura mais acentuada, criando um perfil abdominal mais suave e tonificado.

Para isso, são feitas duas incisões — uma horizontal, na linha dos pelos pubianos, que se estende até o quadril, e outra, vertical, da primeira até o umbigo. Após a retirada do excesso de pele, o resultado é uma única sutura, e consequentemente uma cicatriz na região púbica e outra, invisível, dentro do umbigo.⠀

O Dr. Rafael Quaresma

Dr. Rafael Quaresma é médico formado pela Universidade Católica de Brasília e especialista em Cirurgia Plástica. Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, atua em cirurgias plásticas gerais, reparadoras e de contorno corporal pós-cirurgia bariátrica.

Outros posts

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Menu